Seguro para moto costuma gerar dúvidas em seus proprietários. Será que vale a pena fazer um seguro para moto? E se eu nunca usar? Compensa pagar a franquia tendo uma moto com valor baixo? Esses são os principais questionamentos. Por conta disso, decidimos fazer um post dedicado a este assunto e te falar sobre alguns pontos a levar em consideração no momento de começar a pesquisar sobre essa modalidade de seguro. Acompanhe.

CLIQUE AQUI E COTE ONLINE SEGURO AUTO PARA SEU VEÍCULO

Assim como todo seguro, o seguro de moto é uma proteção que garante a você coberturas e assistências em casos de acidentes com a moto, terceiros, perda, roubo etc. Claro que a gente torce para não utilizar, mas ao contrário do que parece, o seguro para moto é importante e possui duas modalidades que podem encarecer ou baratear o seguro. E é aqui que você precisa se atentar e identificar o seu perfil, para avaliar qual das duas opções é a mais vantajosa para você.

Confira as dicas abaixo e descubra como escolher melhor o seguro para moto.

3 Dicas Antes de Contratar o Seguro para Moto

Antes de mais nada, é importante saber que ao começar a pesquisar sobre seguro para moto, há duas opções: o seguro compreensivo e o seguro não-compreensivo. O primeiro deles, é tido como um seguro mais completo, com várias coberturas em uma única apólice, como o seguro auto, por exemplo. Ele contempla incêndio, roubou ou furto, incêndio dentre outras opções a serem contratadas. Sem contar que essa modalidade de seguro cobre tanto danos totais, quanto parciais.

Já o Seguro não-compreensivo é uma versão mais simples, onde você não conta com todo o suporte da seguradora, nem precisa pagar franquia. Uma vez que no seguro para moto não-compreensivo aborda apenas algumas coberturas, como, por exemplo, cobertura para roubo ou furto. Justamente por isso, essa modalidade é mais barata do que a primeira. Mas para saber se ela serve para você, é preciso analisar bem o seu perfil. Vamos às dicas?

1.      Compreensivo ou não-compreensivo?

Como já dissemos, o primeiro ponto é identificar qual o seu perfil. Se você possui uma moto mais simples, para uso pessoal e passeio, e não quer arcar com os custos altos de um seguro para moto, essa opção é para você. Dessa forma, caso sofra rouba ou furto, terá sua moto ressarcida de acordo com o valor da Tabela Fipe. Mas, casos e envolva em algum acidente, é importante avaliar que não será coberto. Aqui vale a reflexão: será que o barato não pode sair caro? Agora, se você quer cobertura total, prioriza se planejar e arcar com um valor mensal do que ter que desembolsar uma alta quantia, a melhor opção é o seguro compreensivo, já que inclui cobertura para terceiros, colisão, incêndio entre outros.

2.      Motos para uso comercial

Um ponto difícil que os motoboys têm enfrentado é conseguir uma cobertura de seguro para suas motos. Isso porque, a maioria das seguradoras não têm feito coberturas para motos utilizadas para este fim. Isso porque um motoboy roda muito e não se tem como saber todos os endereços pelos quais ele circula, o que faz com que ele esteja muito mais sujeito a enfrentar acidentes e contratempos no trânsito, aumentando o grau de risco para o seguro para motos.

3.      Não minta sobre uso comercial

Visando conseguir a cobertura mesmo sendo motoboy, ou utilizando uma moto para fins comerciais, alguns solicitantes acabam omitindo essa informação, alegando que usam a moto apenas para passeio. Pode parecer uma boa opção, uma vez que há redução no custo do seguro para moto. No entanto, caso aconteça algum imprevisto, a seguradora pode-se negar a arcar com os prejuízos, se descobrir que houve fraude.